O serviço de transporte executivo, facilitado por aplicativos como o Uber, já é um sucesso em várias cidades do Brasil. O mesmo acontece com a proposta de alugar um carro compartilhado, via plataformas como a Pegcar. Entre as vantagens de recorrer a essas alternativas, estão os preços mais baratos que seus correspondentes tradicionais (como táxi e locadoras de veículo), a sustentabilidade e a ideia de economia compartilhada, segundo a qual as pessoas podem dividir seus itens de pouca utilização para evitar o consumo desnecessário.

Diante disso, tem muita gente se perguntando: vale mesmo a pena manter um carro? De fato, a manutenção de um automóvel não é barata, podendo chegar a R$ 2,5 mil ao mês, se considerarmos depreciação, combustível, aluguel de garagem, seguro, entre outros custos. Mas, antes de desistir de comprar um carro ou até mesmo de querer abrir mão do seu para utilizar outros meios de transporte, é preciso colocar no papel todos os números e entender o que mais vale a pena para você. Pode parecer que não, mas em muitos casos ter um carro é o melhor para a organização financeira.

Quando ter carro vale a pena

Ter um carro é um bom negócio? Essa não é uma pergunta tão simples de ser respondida. Na verdade, depende da utilização que você faz de seu veículo. Por isso, separamos algumas situações em que ter carro é a melhor opção:

Utilização diária

Para quem usa o carro todos os dias para ir e voltar do trabalho, carro ainda é opção mais barata do que carro compartilhado, táxi ou Uber, mesmo para distâncias curtas, segundo levantamento realizado pela Exame.com. A única alternativa mais barata é o transporte público, mas neste caso considerando que você precise apenas de uma linha para chegar ao seu destino e que iria sozinho em seu carro durante todo o trajeto.

Comodidade

Apesar de ser mais barato, contar apenas com o transporte público muitas vezes pode não ser o mais cômodo, principalmente em grandes cidades. Ônibus e metrô lotados não são as melhores opções para quem precisa transportar objetos, percorrer longas distâncias ou acompanhar idosos e crianças. Neste caso, o conforto e a comodidade de ter um carro ainda valem muito a pena.

Viagens frequentes

Quem viaja menos de uma vez por mês pode ter como boa opção alugar carro compartilhado ou utilizar linhas de ônibus, mas acima disso ter um carro torna-se mais vantajoso, seja pelo conforto, seja pela divisão dos custos de manutenção em mais de um deslocamento. Neste caso, é possível também oferecer caronas e dividir os gastos com combustível através de ferramentas como a BlaBlaCar.

Carro pode ser um investimento

Ao decidir se vale a pena ter um carro ou não, é importante lembrar que ele não precisa ser apenas sinônimo de despesas. O automóvel, antes de mais nada, é um bem, com o qual você pode inclusive aumentar a sua renda de diversas maneiras. E, caso as finanças apertem, existem opções de crédito exclusivas para quem possui veículo próprio quitado, como o refinanciamento do automóvel. Esta é uma das formas de empréstimo com taxa de juros mais baixas do mercado, que pode ajudar quem tem carro a utilizá-lo como garantia para a realização de um sonho ou para evitar entrar no vermelho, algo fundamental neste momento da economia brasileira.

Precisando entender como gerenciar melhor os seus gastos? A Novi Soluções oferece opções de educação financeira que você precisa conhecer.